• Isabella Stephan

A jardinagem, um ofício sagrado.

Existe uma voz dentro de todos os seres humanos que vez o outra os convoca para o contato com a Natureza.


Nos dias atuais, no entanto, nos dedicamos cada vez menos ao contato com a Terra.


Corremos pra lá e pra cá, nos fechamos em recintos com pouca claridade, sob o ar condicionado, em frente às telas.


Uma hora ou outra, a Alma sente-se estafada.

Tanta conexão com a tecnologia, nos afasta da conexão com a nossa essência natural de vida.

Com o nosso lado mais instintivo e selvagem.


Tocar a terra nos trás essa essência de volta.



De três anos pra cá, eu que sempre gostei muito de plantas, tenho me dedicado mais profundamente ao contato com a Terra. E tenho aprendido tanto, com ela...



Meu ateliê fica na minha casa, mais pontualmente em uma sala integrada ao jardim. Ali ao lado, a horta cresce para nos nutrir; as árvores frutíferas nos presenteiam com limões, manga, jabuticaba, graviola, dentre outras delícias; as cachorras correm atrás dos pássaros...


Quando chego cansada do trabalho ou quando a cabeça está completamente tomada por preocupações, basta retirar os sapatos e pisando na grama ir até o pé de alecrim ou de manjericão para sentir o perfume presentado por eles.


À roseira e à minha mini-plantação de lavandas me dirijo para coletar pétalas quando quero preparar um banho de cheiro.



Vasinhos de várias cores enfeitam a garagem de casa. Ali gosto de fazer um trabalho mais artístico, criando mini-jardins de suculentas, misturando uma espécie com outra, testando possibilidades.


Há também o "hospital" - local onde as plantinhas dodóis e que estão precisando de mais atenção ficam para se recuperar das afliçõ