• Isabella Stephan

Mentoria Farol - uma jornada para acessar a coragem, a alegria e a amorosidade interior.

Atualizado: há 3 dias



A Mentoria Farol é um projeto que nasceu logo após a primeira turma que conduzi do Desafio de 21 Dias - Arte para Cuidar, Curar e Transformar e ela foi desenhada pensando em cada uma das mulheres que - após a vivência se mostraram desejosas em dar seguimento à práticas de autoconhecimento por meio da Arteterapia Junguiana.


Eu logo tive a idéia de trabalhar com alguns sentimentos extremamente comuns em nossa vida mas que costumamos querer empurrar lá para baixo do tapete: o medo, a raiva e a tristeza. Reuni a minha vasta experiência na área de trauma e resiliência, os conhecimentos que adquiri a partir da minha formação em Arteterapia Junguiana e estudos paralelos em áreas como arte, criatividade e psicologia junguiana.


Parti para a criação dessa Mentoria a partir de uma imagem que me veio muito fortemente à cabeça: a imagem de um Farol! Era exatamente ISSO que eu queria que essa mentoria fosse.




A inteligência é o farol que nos guia, mas é a vontade que nos faz caminhar.
Erico Veríssimo.









O Farol nos remete à segurança. Ele é Luz (e não uma luz qualquer) mas uma luz que irradia à lugares muito longínquos, quase remotos servindo de direção aos navios. Para adentrar às águas turbulentas da tristeza, do medo e da raiva eu não só precisava mas QUERIA uma luz de Farol.


Simbolicamente, o mar está associado à cura, à uma imensidão de vida e nos desperta profunda admiração. Por outro lado, o mar também é um lugar de perigos e incertezas, agitação e as suas profundezas representam a própria escuridão.


São construídos em torres altas para que também possam ser facilmente avistados. A simbologia dos faróis está relacionada ao caminho de luz que guia a humanidade na vida. Os faróis apontam para o destino ou o lugar para onde se quer chegar.


Para os pescadores e navegantes, a luz do farol também pode significar a volta para a casa ou ainda pode guardar em si a mágica da comunicação por "telepatia"ou imaginação com seus familiares. Um olha de cá, outro de lá e então as saudades se encontram - acolhendo-se uma à outra.


Em suma: é frente à essa imensidão dual que é o mar - lugar de paz e cura mas que tb guarda perigos e abraça o desconhecido - que o farol leva luz, direção, segurança, guiança, acolhimento.