Quando o filho nasce, a memória e o pensar da mãe florescem

Maria Flor era menor, devia ter 2 anos.

“- Filha, olha pra cima! Procura a lua. Veja quantas estrelas!”

E assim eu enxaguava seus cabelos enquanto ela olhava para o teto...

Meu esposo me apelidou de “Mamãe Gump”, por ser uma contadora de histórias.

“Vem cá, filha, vou desembaraçar seus cabelos... Já te contei como o biso fazia para pentear

meus cabelos quando eu era pequena?”

E fio a fio ia contando a história do bisavô e desembaraçando seus pensamentos.


Outro dia ela alcançava uma estrela com as mãos e mostrava para um amigo:

" - Oooolha que estela bilhanteee! Voou, pega, pega!"


O amigo dava de ombros e dizia que não tinha nada ali... Ela seguia vendo o brilho das estrelas e buscando a lua no teto. Ela seguia acreditando em mágica, como expectadora e fazedora.


Minha alma de menina nunca abriu mão de seguir enxergando o brilho das coisas invisíveis aos olhos e que explodem feito fogos na nossa cabeça. Tenho para mim que esse é meu legado: emprestar meus olhos que enxergam a mágica no ordinário... Fazer extraordinária cada viagem dentro do imaginário.

Dizem que quando um filho nasce, a memória e o pensar de uma mãe adormecem. Eu não acredito nisso! Um filho nasce, e um monte de coisas nascem também. Algumas prioridades morrem para que outras possam existir. Em mim nasceu a necessidade de criar e de ver em palavras as descobertas diárias das crianças e da maternidade.



O mundo de uma criança é tão rico e para que eles desenvolvam a criatividade basta ser com eles e nutrir seus sonhos. Basta sermos mais desplugadas do mundo digital, conectados ao pulsar criativo e às nossas necessidades enquanto mães.


E não, não precisa ter veia artística para isso.


Precisamos sim acessar nossa criança interior, nos colocar no chão junto com nossos filhos, dar corda para a imaginação DELES e também para a nossa.


Se você sempre achou que não era boa em colorir, em desenhar, escrever ou criar histórias; faça como puder e quiser. Não há espaço mais seguro do que o coração de uma criança, não há julgamentos.


É por isso que criança e arte andam assim tão juntinhos. Criar é ser livre, e ser livre é coisa que criança sabe muito bem.


Quer criar e estimular a criatividade dos filhos? - Seja livre junto!


“- Vós sois deuses!”


E como deuses e deusas criamos. Ninguém nos ensina a sermos deusas. Somos.



Como mães, aprendemos com os filhos e os encorajamos à essa incrível e mais bela viagem para dentro de si.



* Sou Dayana Trifoni, terapeuta ocupacional, mestre em saúde coletiva, terapeuta comunitária, educadora parental.


Sou também uma porção de outras coisas complicadas de dizer e simples de entender: ajudo mães e pais a transformar a relação com os filhos em uma relação mais harmônica, leve e feliz; e a estruturar o cotidiano e a rotina da família. Mas o que eu mais sei fazer mesmo é ser mãe da Maria Flor e do Gael, e o que eu tenho aprendido é seguir mulher, intensa, livre, vibrante e pulsátil. Vem fazer esse caminho comigo! 


- Se você curtiu a postagem, não esqueça de deixar o seu comentário. Ah! E também de seguir a página da Daya no Instagram: instagram.com/dayanatrifoni.


Lá ela oferece uma série de ferramentas para educar filhos e tornar leve o cuidado materno. A própria Daya deixa claro que seu intuito lá não é o de ensinar nenhuma mãe a ser perfeita, mas apoiar para que sejam imperfeitamente felizes.


** O texto acima faz parte da sessão Maternidade Criativa. Se você é mãe ou trabalha com mães e/ou crianças e acha que tem algo para falar sobre o universo da Criatividade, sobre a importância da Arte e do Lúdico ou qualquer outro assunto relacionado ao fazer criativo na relação mães-filhos , deixa um comentário ou manda um e-mail que entraremos em contato. Nessa sessão teremos espaço prioritário para outras mães empreendedoras se expressarem!


INSCREVA-SE TAMBÉM NA MINHA NEWSLETTER E FIQUE SABENDO DE TUDO O QUE ROLA EM PRIMEIRA MÃO

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • whatsapp
  • mail-2

© 2020 . eutedouaminhapaz

ETDMP_2020_Logo.png
0