• Isabella Stephan

Somos todos artistas! E a arte pode fazer um bem danado para nós...

Desde que o homem é homem, nós, seres humanos, cozinhamos, caçamos, fazemos inscrições para nos comunicar (escrita), esculpimos instrumentos, desenhamos... Todo ser humano é capaz de fazer coisas com as mãos (ou com o corpo). Somos seres criantes!


Somos dotados de incríveis ferramentas: corpo, polegar opositor, sentimentos, pensamentos, criatividade, intenção, afetos, vontades, movimento, inquietações, dores, vivências, experiências, observação...


Não há limites, senão os que criamos e cultivamos internamente, que nos impeçam de criar.


Apesar de tudo, muita gente ainda tem medo. Muita gente ainda olha para o que cria, desqualificando o que faz. Outras pessoas, sequer entregam-se ao processo de criar exatamente pelas crenças limitantes que carregam sobre si mesmas.


Talvez em algum momento alguém tenha feito uma crítica geradora de bloqueios nessa área. Talvez esse alguém tenha sucumbido diante da necessidade de controle ou do exagerado perfeccionismo . Ou ainda talvez ela passe por um momento de dor, em esteja possuída pelo sentimento de menos-valia. Eu mesma me afastei do teatro após uma crise dessas que tiram a gente do eixo. Minha memória não estava boa e eu logo concluí que não era mais capaz de decorar textos...


Percorri, no entanto, outros caminhos que me levaram, inclusive à Arteterapia, à ilustração, à aquarela, à retomada da escrita, aos cuidados com meu jardim pessoal.


A Arteterapia me fez entrar em contato com muita gente que ali, num primeiro momento, não demonstrava disposição em criar. Seres convictos de que "não nasceram para essa ou para aquela técnica".


Apesar dos "poréns", quando o vínculo terapêutico se constrói e criamos um ambiente seguro, sinto-me capaz de dizer: - Apenas relaxe e se entregue. Qual é o material que te atrai? Aqui, nesse micro-universo, somos todos inteiramente aptos à criar. Não há o feio, o vergonhoso, o errado. Acolhemos o que vêm... Costumo ser recebida com sorrisos, olhos brilhantes, timidez e alguma disposição à entrega frente ao novo.


É nesse processo que a cura começa a acontecer!


Fazer arte tem inúmeros benefícios que vão desde o relaxamento que o trato com diferentes materiais é capaz de trazer até a melhora da auto-estima, do sentimento de auto-valor, da capacidade de concentração e expressão.


Quando nos colocamos à disposição da Arte enquanto ferramenta terapêutica ela é capaz de nos levar à lugares incríveis. No fazer criativo, trazemos para o concreto e nos colocamos em contato com aspectos ocultos (e até então, desconhecidos) do nosso interior. Nos deparamos com formas e símbolos do nosso inconsciente. O contato com esses símbolos - presentes tanto na obra criada como no próprio processo criativo - é capaz de nos transformar. 


Como assim, Isa?