Ah! O amor... #todasegundatempoesia


É como se essa coisa

De alimentar

Amores Impossíveis

Dentro

ou fora

Do amor que já vivemos

Fosse refúgio

para manter

a poesia.

Vai ver que é por isso

que o poeta

precisa

das paixões.

Para que a alma,

na fantasia do viver

Siga viva

Pulsando

versos de amor.


(...)




Amanhã é Dia dos Namorados e pensei que talvez discorrer um pouquinho sobre esse assunto poderia ser interessante.


A gente passa a vida idealizando amores impossíveis, existentes apenas na nossa fantasia. Sem saber que tudo o que fantasiamos, na verdade, faz morada dentro de nós mesmos.


Eu também alimento os meus. Fico à sonhar e criar expectativas, almejo até que às vezes o outro seja a concretização das minhas próprias realizações.


Seguimos buscando no outro, o que queremos (e que na verdade, já existe, mas não conseguimos ver) dentro de nós mesmos.


Vejo isso acontecendo comigo, mas também com amigos, entre casais de namorados, de ficantes, e em casamentos de longas datas.


A gente se confunde com a mágica do amor. Ficamos buscando o "caminhar juntos, em uma mesma direção".


E os conflitos surgem quando na verdade, nos damos conta que isso nunca vai acontecer, porque seres humanos são diferentes uns dos outros. Tem sonhos, desejos, interesses, qualidades e dificuldades diferentes.


Amar é bom porque somos espelhos.

Dois (ou mais) amantes, na retina dos olhares, espelhos da alma, um do outro - parecem que ao se olharem, se buscam. Assim é o Amor que engrandece.

Ele espelha tudo o que há de luz e sombra em cada um de nós.


É bom olhar para o que temos de luz. Mas quando o outro é projeção da nossa sombra... A gente vira fera! Amar é a maior brasa.


Amar é terapia... Fantasiar faz parte e chega a ser bom. Eu diria até, que a fantasia salva. É por meio do que criamos de fantasia, que vamos em busca da realidade: que lutamos para fazer acontecer.


O amor entre amantes é caminho para a nossa individuação.

Para que trilhemos nossos próprios caminhos, rumo ao encontro com a plenitude de nós.


Com a plenitude e a certeza de que não há melhor caminho a seguir, que o caminho da nossa própria Verdade.


Às vezes, a união se sobressai. Um consegue empurrar o outro pra frente, estender a mão, celebrar trocas, ajudar a levantar diante das quedas.

Em outras, a separação se faz necessária para que o amor continue ali. Presente. Não há menos amor, nas separações.


Para mim, a melhor metáfora do amor é a de um rio em dia de chuva e sol. Marolas para lá e para cá. Barcos. Cada remador, em seu barco. O mar é a vida. O barco, nosso corpo físico, mental e espiritual. O remador somos nós, tentando nos equilibrar. E o amor, acontece, quando os remadores remam ao encontro, um do outro, para pescar, prosear, tomar um vinho ao Luar.



INSCREVA-SE TAMBÉM NA MINHA NEWSLETTER E FIQUE SABENDO DE TUDO O QUE ROLA EM PRIMEIRA MÃO

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • whatsapp
  • mail-2

© 2020 . eutedouaminhapaz

ETDMP_2020_Logo.png
0