• Isabella Stephan

Ah! O amor... #todasegundatempoesia


É como se essa coisa

De alimentar

Amores Impossíveis

Dentro

ou fora

Do amor que já vivemos

Fosse refúgio

para manter

a poesia.

Vai ver que é por isso

que o poeta

precisa

das paixões.

Para que a alma,

na fantasia do viver

Siga viva

Pulsando

versos de amor.


(...)




Amanhã é Dia dos Namorados e pensei que talvez discorrer um pouquinho sobre esse assunto poderia ser interessante.


A gente passa a vida idealizando amores impossíveis, existentes apenas na nossa fantasia. Sem saber que tudo o que fantasiamos, na verdade, faz morada dentro de nós mesmos.


Eu também alimento os meus. Fico à sonhar e criar expectativas, almejo até que às vezes o outro seja a concretização das minhas próprias realizações.


Seguimos buscando no outro, o que queremos (e que na verdade, já existe, mas não conseguimos ver) dentro de nós mesmos.


Vejo isso acontecendo comigo, mas também com amigos, entre casais de namorados, de ficantes, e em casamentos de longas datas.


A gente se confunde com a mágica do amor. Ficamos buscando o "caminhar juntos, em uma mesma direção".


E os conflitos surgem quando na verdade, nos damos conta que isso nunca vai acontecer, porque seres humanos são diferentes uns dos outros. Tem sonhos, desejos, interesses, qualidades e dificuldades diferentes.